Descemos do ônibus que circula internamente no Parque Nacional do Iguaçu, caminhamos alguns metros e já nos deparamos com o primeiro mirante. Poucos degraus abaixo, em uma plataforma, alguns turistas tentavam registrar toda aquela paisagem com câmeras e celulares, enquanto outros apenas admiravam aquela infinidade de água despencando do paredão. Desci, me apoiei na barra de proteção que me separava daquela imensidão de água e, por alguns instantes, a única coisa que passava pela minha cabeça era: “Como demorei tanto tempo para conhecer as Cataratas do Iguaçu?”

Cataratas do Iguaçu: Uma das Sete Maravilhas Naturais

É fato que nós brasileiros ainda não descobrimos ou não nos demos conta da preciosidade que temos bem no nosso quintal!

Ali, bem na fronteira com os hermanos argentinos, estão localizadas nada mais nada menos do que as gigantes Cataratas do Iguaçu!

Mas, diferentemente de nós, os gringos não dão bobeira! A grande maioria daqueles que desembarcam em terras tupiniquins para curtir as férias sabem muito bem que as Cataratas do Iguaçu são um destino essencial em qualquer roteiro pelo nosso país.

Também, pudera!

Com mais de 175 quedas d’agua (número que tende a aumentar na época das cheias), com uma vazão que pode ultrapassar os 8.500 m³ de água por segundo, e com saltos que chegam aos 80 metros de altura, o Parque Nacional do Iguaçu é tão bonito e único que foi eleito, em 2011, como uma das Sete Maravilhas Naturais do Mundo, em uma eleição mundial organizada pela Fundação inglesa New7Wonders.


Curioso (a) pra saber quais são as outras 6 Maravilhas Naturais? Clique aqui e descubra!

  1. Floresta Amazônica🇧🇴 Bolívia, 🇧🇷 Brasil, 🇨🇴 Colômbia, 🇪🇨 Equador, 🇬🇫 Guiana Francesa, 🇬🇾 Guiana, 🇵🇪 Peru, 🇸🇷 Suriname e 🇻🇪 Venezuela.
  2. Baía de Ha Long🇻🇳 Vietnã
  3. Ilha de Jeju🇰🇷 Coreia do Sul
  4. Parque Nacional de Komodo – 🇮🇩 Indonésia
  5. Parque Nacional de Puerto Princesa🇨🇿 Filipinas
  6. Montanha da Mesa – 🇿🇦 África do Sul

Com um título desses, acho que é até dispensável falar que as Cataratas são super indicadas para todos aqueles que amam a combinação turismo + natureza, né?

Bom, dispensável ou não, me sinto na obrigação de reforçar que você deve visitar as Cataratas do Iguaçu, “pra ontem”!

O Parque das Cataratas é uma reserva ambiental de 600 mil hectares de áreas protegidas e que abriga uma infinidade de espécies da fauna e da flora nacional.

E se mesmo com todos estes números que apresentei, você ainda não está convencido (a), vou te mostrar um pouquinho deste lugar incrível e provar que não estou exagerando.

Aproveitando, vou passar também algumas dicas sobre o Parque Nacional do Iguaçu que podem fazer toda a diferença no seu roteiro! Fique ligado (a)!


Neste post você verá:

  • Cataratas do Iguaçu: Como tudo começou
  • Porque me surpreendi com as Cataratas?
  • Como chegar?
  • Vale a pena ir com agência?
  • Quanto custa?
  • Lado brasileiro ou lado argentino?
  • Quando ir?
  • Principais Atrativos
  • Por onde começar e terminar o seu dia nas Cataratas do Iguaçu?
  • Quanto tempo devo separar para o passeio?
  • Onde comer?
  • O que levar e o que vestir?
  • Conheça por outro ângulo
  • Acorde, abra a janela e veja as Cataratas
  • Mais informações


Leia tambémMarco das Três Fronteiras, em Foz do Iguaçu – Saiba tudo sobre este passeio!


Cataratas do Iguaçu: Como tudo começou

Se a gente pode visitar as Cataratas do Iguaçu e curtir todo aquele visual impressionante, devemos agradecer a uma pessoa em especial: Santos Dumont!

Imagino que você não faz ideia de qual seja a relação entre as Cataratas e o Pai da Aviação, correto? Tudo bem, eu também não sabia até viajar para Foz.

Tudo aconteceu há mais de 100 anos, quando Santos Dumont, após uma viagem até Buenos Aires, fez um “stopover” na região de Puerto Aguirre.

Ao saber que Santos Dumont, uma personalidade super famosa, estava próximo à região de Puerto Iguaçu, o esperto Frederico Engel, morador local, resolveu fazer aquele marketing das Cataratas e foi até Puerto Aguirre, onde encontrou Santos Dumont e o convidou para conhecer a então chamada Vila Iguassu.

Santos Dumont, que, acredite ou não, era mochileiro destemido e não se limitava a viajar com roteiros fechados, topou a proposta e seguiu com Engel no intuito de ver se tudo o que a galera comentava sobre as Cataratas era verdade ou se era fakenews.

Acontece que, na época, as Cataratas tinham dono. E não pertenciam a um brasileiro, mas sim a um Uruguaio, o sortudo Jesus Val. Como bem sabemos, naquele tempo o Uber ainda não estava rolando em Foz (na verdade ele começou a funcionar esse ano) e pra sair da vila e chegar nas Cataratas levava-se em média 6 horas de carroça (para nossa sorte, nos dias de hoje, o percurso da cidade até o Parque leva menos de 20 minutos).

No melhor estilo aventureiro, Santos Dumont seguiu a cavalo com Frederico Engel e, assim como todos os que visitam as Cataratas, ficou de queixo caído com a beleza do lugar.

Santos Dumont passou dois dias nas Cataratas, hospedado em uma casinha que era considerada o melhor hotel da região (talvez porque também era o único 😅).

Quando retornou de viagem, Santos Dumont foi conversar com o governador do Paraná e o convenceu de expropriar as terras onde estavam as Cataratas e torná-las um local público. Jesus Val não ficou muito satisfeito com a situação e reclamou do preço pago pelo terreno.

Bom, o chororô de Val não adiantou e as terras passaram a ser propriedade do Governo.

Posteriormente, o presidente Getúlio Vargas criou o então Parque Nacional de Foz do Iguaçu.

A sacada de Engel foi reconhecida e hoje ele é considerado pioneiro no turismo e hotelaria em Foz do Iguaçu.

Por que me surpreendi?

Bom, eu conheço alguns Parques Nacionais, Estaduais e Municipais e a maioria não oferece muita estrutura. Pra falar a verdade, alguns são bem largados, não existindo qualquer tipo de manutenção.

Mas minha percepção sobre os parques governamentais mudou radicalmente ao conhecer o Parque Nacional do Iguaçu.

Entrada do Parque Nacional do Iguaçu

A estrutura e organização de lá realmente impressiona!

Logo na entrada, fomos recebidos por funcionários que ficavam direcionando e tirando as dúvidas dos turistas.

Ao ser abordado, até imaginei que me ofereceriam algo pra comprar mas, muito pelo contrário, fui recebido com um simpático e sincero “posso te ajudar?”.

Na área de bilheteria há banheiros, caixa eletrônico e também um centro de informações.


Atenção: em feriados prolongados, a visitação às Cataratas do Iguaçu aumenta muito, então, mesmo com a estrutura legal, pode acontecer de formar longas filas para a compra do bilhete de entrada. Então, compre seu bilhete antecipadamente e chegue cedo para não pegar muita fila.


Como as atrações são todas distantes uma das outras, existe uma linha de ônibus que corta todo o Parque das Cataratas e faz 04 paradas em pontos específicos.

Ah! Mas não se trata de um ônibus qualquer! São ônibus com vista panorâmica e com desenhos de bichinhos.

Na ida fomos em um amarelo, da onça parda, e na volta pegamos um azul, com lindos tucanos desenhados! (O ônibus de ida e volta já está incluso no valor do ingresso)

ônibus estiloso de tucanos

Outra coisa que me chamou muito a atenção foi a limpeza do Parque. Sem dúvidas as placas e lixeiras espalhadas por lá garantem que as pessoas se conscientizem e ajudem na manutenção.

E por falar em placas, mais um ponto positivo para o Parque: por todos os lados existem placas e sinalizações com informações em inglês, espanhol e português, o que torna a experiência nas Cataratas do Iguaçu ainda mais agradável.

Por fim, na última parada do ônibus há um restaurante, o Porto Canoas. Nós não fomos nele, ficamos tão deslumbrados com as Cataratas do Iguaçu que mal sentimos fome haha!

Mas, se o Porto Canoas mantiver o mesmo padrão de estrutura do restante do Parque, imagino que ele seja muito bom também.

Simplesmente não tem como não parar para fotografar em todos os mirantes!

Como chegar?

Existem basicamente cinco formas principais de se chegar nas Cataratas. E aqui você vê todos os prós e contras de cada uma delas!

Ônibus

O sistema de ônibus de Foz do Iguaçu funciona bem. Dá pra ir em todas as atrações da cidade de forma bem fácil!

O principal ponto positivo de se locomover usando o transporte público em Foz é o preço. A passagem de ônibus custa R$3,75 (preço de dez/2018).

Já o ponto negativo do busão é o tempo que você vai gastar para chegar e sair das atrações – e, é lógico, o conforto um tanto menor do que se comparado com ir de carro.

Para chegar no Parque de transporte público a melhor pedida é pegar um ônibus que te leve até ao Terminal de Transporte Turístico (TTU) e de lá pegar a linha 120. Desça no ponto final que você estará bem na portaria do Parque. (No TTU você pode trocar de ônibus sem ter que pagar outra passagem)



Uber

Se você leu em algum lugar desta vasta internet que o Uber não funciona em Foz, saiba que essa informação está desatualizadíssima. O Uber está rodando super bem na cidade e tem se mostrado uma eficiente alternativa para os preços não muito ‘amigáveis’ dos táxis.

Como não queríamos gastar muito com transporte mas também queríamos otimizar nosso tempo, optamos por usar o Uber e foi tudo muito tranquilo.

Uma corrida do centro de Foz até o Parque nos custou, em média, 30 reais – o que, dividido para um grupo de 4 pessoas dá R$7,50!

Nas Cataratas, é muito comum as borboletas pousarem na gente

Táxi

Bom, me desculpem os taxistas de Foz, mas definitivamente eu não acho que o táxi é a melhor opção para se chegar no lado brasileiro das Cataratas do Iguaçu. Via de regra o preço será maior do que o do Uber.

Mas, se ainda assim você optar por ir de táxi, saiba que eles estão por todos os lados em Foz, sendo este um ponto super positivo desta forma de transporte!

Carro alugado

Alugar um carro é uma excelente escolha em Foz do Iguaçu!

Com um carro alugado você não se preocupará com horários, tendo maior liberdade para conhecer as Cataratas e também para fazer outros passeios na região.

Se você estiver sozinho ou com mais uma pessoa, pode ser que o preço pese um pouco mais. Mas, se estiver com um grupo de amigos ou família, alugar um carro, na minha opinião, será a melhor escolha.


Quando precisamos alugar carro em viagens no Brasil ou no exterior, sempre fechamos com a RentCars, que não é uma locadora, mas sim um site que faz a comparação entre diversas locadoras.

A RentCars é parceira do Viajando na Janela, e clicando no link abaixo você faz sua reserva sem stress e ainda garante o preço mais barato:


Vale a pena ir com agência?

Sem dúvida, escolher uma agência que te busque no hotel e te deixe nele ao final do passeio pode ser mais simples do que se aventurar de ônibus ou Uber pela cidade ou até mesmo do que alugar um carro. E em Foz existem várias empresas que oferecem o transfer para as Cataratas do Iguaçu!

Dois pontos positivos a serem considerados em um passeio com agência:

  1. O passeio geralmente é acompanhado por um guia que vai explicando curiosidades sobre as Cataratas do Iguaçu.
  2. Você não terá que se preocupar com nadinha. Basta pegar a van/ônibus e se divertir.

Por outro lado, pode ser que o passeio saia mais caro do que ir por conta própria, mas isso não é uma regra.

Se você só quiser relaxar e curtir o melhor de Foz sem esquentar a cabeça, dê uma olhada nos passeios fornecidos pela TourOn, uma empresa parceira do Viajando na Janela.


Quanto custa?

O ingresso para conhecer este espetáculo da natureza custa R$38,00. Crianças até 11 anos e maiores de 60 anos pagam R$10,00***.
*** Preço referente à dez/2018, retirado do site oficial do Parque.

Um dos vários moradores do Parque Nacional

Cataratas do Iguaçu: Lado brasileiro ou lado argentino?

Bom, se você está “caindo de paraquedas” neste post e ainda não leu nada sobre as Cataratas do Iguaçu, saiba que elas não são somente nossas. Na verdade, temos só uma parte delas. A outra parte fica em território argentino.

Pelas pessoas com quem já conversei e relatos que já li, é uma unanimidade que ~desta vez~ perdemos para os hermanos. Bom, eu não vou discordar da maioria, também achei o lado argentino mais bonito.

Maaaaassss, nem por isso você deve ficar entre um e outro! Se organize e trate de colocar tanto o lado brasileiro quanto o argentino no seu roteiro. Vá por mim, você não vai se arrepender.

Ver as quedas bem de pertinho, no meio da passarela no rio Iguaçu é algo irado. Só por aí, já não posso deixar de indicar o lado brasileiro.

E se falarmos do quesito estrutura, nosso Parque dá de 10×0 no Parque argentino! Do lado brasileiro tudo é muito novinho e bem cuidado (como já falei acima), já do lado argentino, as coisas são um pouco mais precárias.

Quando ir?

Antes de marcar a sua viagem para Foz, considere o seguinte:

Verão
Na primavera e no verão, as Cataratas estão com o volume de água bem maior devido às chuvas. Isso aumenta a imponência das quedas e, na minha opinião, torna a visita mais interessante. O lado ruim é que este é o período de chuvas – e em Foz chove pra caramba!

Inverno
No inverno as Cataratas estão com um volume menor, mas, em compensação, a chance de pegar dias chuvosos é mínima! A temperatura não é muito baixa, ficando entre 10° (na madrugada e de manhãzinha) e 25º durante o dia

Agora, independentemente de clima e chuva, se você puder escolher uma data para visitar as Cataratas, fuja de períodos de férias e feriados. Nestas épocas do ano, o número de turistas em Foz aumenta muito, e você pode acabar pegando as atrações mais cheias.

Fomos em novembro, antes do feriado, não pegamos nenhum dia de chuva e tudo estava bem vazio se comparado com as fotos que vimos em alta temporada!

Principais atrativos

Além de ver as Cataratas de pertinho, no Parque Nacional do Iguaçu você terá a oportunidade de fazer trilhas, conhecer detalhes sobre a fauna e flora da Mata Atlântica, praticar esportes radicais como rafting e rapel, além de curtir ~literalmente~ um banho em um barco que vai te levar até as quedas d’agua.

Como eu disse no início, no Parque há um sistema de ônibus que faz quatro paradas principais. Veja só:

Trilha do Poço Preto

Depois que você embarcar no ônibus, saindo do Centro de Visitantes, o início da trilha do Poço Preto será a primeira parada.

Esta aventura começa em uma passarela suspensa no meio da selva e logo após atravessa-la, o visitante inicia uma caminhada de 9 km. No caminho, podem ser vistas espécies da fauna e flora local. O final da trilha dá na Lagoa do Jacaré. Se você não quiser caminhar, pode optar por fazer a trilha de bicicleta ou a bordo de um carro elétrico.

Após a caminhada e um período de descanso, o pessoal entra em um barco a motor e inicia uma navegação no rio Iguaçu. A média de duração desse passeio é de 4 horas.

Como nosso tempo era curto, optamos por não fazer, mas caso você queira, pode reservar no link abaixo:

Macuco Safari

Curte adrenalina? Gosta de se molhar? Quer ver as Cataratas de outra forma? Então não deixe de se aventurar no Macuco Safari (eu não deixei haha)!

O Macuco Safari é a segunda parada do busão e, pra mim, um passeio obrigatório para quem vai às Cataratas do Iguaçu.

Sabe aquele ditado “Quem tá na chuva é pra se molhar”? No Parque Nacional do Iguaçu ele se transforma em “Quem tá nas Cataratas é pra se molhar”. E a melhor e mais divertida forma de fazer isso é entrar em um barco, navegar correnteza acima e tomar um belo banho embaixo das quedas do rio Iguaçu!

Falando assim pode até parecer perigoso, mas fique tranquilo, o passeio é super seguro! O maior risco que você corre é querer repetir a dose ao final da aventura.

No passeio tradicional do Macuco Safari, você terá a oportunidade de explorar a selva em um carro elétrico, depois terá um contato intenso com a natureza em uma curta trilha de 500 metros, à pé, em meio à mata e, ao final, navegará pelo rio Iguaçu até as primeiras quedas das Cataratas.

Além deste passeio, você pode optar também por atividades como rafting e cachoeirismo ou fazer a trilha das Bananeiras

Bom, não vou me estender muito sobre este passeio aqui, já que neste post você pode conferir todas as dicas sobre o tour: Macuco Safari – tudo o que você precisa saber!


Economize:


Trilha das Bananeiras

Na mesma parada do Macuco Safari, mas do outro lado da estrada, está o início de outro passeio no Parque: a Trilha das Bananeiras.

Este passeio consiste em uma trilha de 1,6 km + passeio de barco + passeio de caiaque com direito a muito ar puro e muito verde.

Nós não fizemos este passeio, principalmente pela falta de tempo – a trilha dura em média 2h30.

Mas se você quiser saber como é, confira este post do Blog Viajadas: A Trilha das Bananeiras, no Parque Nacional do Iguaçu.


Trilha das Cataratas

Ponto alto do passeio! Chegou a hora ter uma visão panorâmica de toda a beleza das Cataratas do Iguaçu!

Barcos do Macuco Safari navegando no Rio Iguaçu

A trilha começa bem em frente ao Belmond Hotel das Cataratas (comentarei sobre ele mais à frente).

Logo que descemos do ônibus, já demos de cara com o primeiro mirante, aquele que comentei lá no comecinho do post. Ali me caiu a ficha de porque os gringos procuram tanto as Cataratas!

Vendo as quedas por baixo, lá do Macuco Safari, deu pra perceber que elas eram colossais, mas foi com a visão panorâmica deste primeiro mirante que eu realmente entendi o porque do nome “Rio Iguaçu”, que em tupi guarani significa rio enorme!

A vista ali é estonteante, mas a trilha não se limita somente a este mirante. Ao longo de seus 1,2 km, a gente tem a oportunidade de observar as quedas d’água de vários pontos e sob diversos ângulos diferentes

Enfim, leve muitos cartões de memória, limpe a memória do seu celular e se prepare para trazer fotos incríveis de recordação!


E por falar em fotos, que tal dar um up nas suas? Confira aqui como melhorar (radicalmente) os seus clicks: 5 regras de composição que você deve conhecer


Mirante das Cataratas

Voltando ao assunto, a trilha é toda calçada, bem sinalizada e é bem fácil de ser percorrida.

No meio da trilha, fizemos uma paradinha estratégica para comprar água num quiosque. Por lá, alguns quatis tentavam conseguir comida com os turistas.

Deu vontade de apertar? Deu! Deu vontade de trazer pra casa? Deu! Mas saiba que os quatis, apesar de serem fofinhos, são um tanto quanto agressivos quando se trata de comida. E se você arriscar tocá-los, principalmente quando estiverem comendo ou atrás de uma refeição, poderá ser mordido ou arranhado. E, pelas fotos que vi nas placas de alerta do Parque Nacional do Iguaçu, a mordida do quati faz um belo estrago e pode muito bem estragar o seu passeio.

Outra dica: cuidado com furtos nas Cataratas, ok? Furtos dos quatis, é claro! Esses bichinhos são extremamente atrevidos, e podem facilmente roubar uma bolsa, rasgar uma sacola, tomar um pacote de biscoito, de salgadinho ou qualquer outra coisa que eles considerem interessante.

Ah! Mas fotos eles curtem! Às vezes eles fazem um charme e fogem dos cliques, mas, de forma geral, eles estão acostumados com os paparazzis.

Peguei esse quati meliante no flagra!

Continuando a trilha, o barulho das águas foi ficando cada vez mais intenso e, a cada passo, mais e mais gotículas de água respingavam na gente. A sensação daquela água refrescante borrifando no rosto era ótima, já que o calor estava forte.

Foi aí que percebi que estávamos pertinho de um dos pontos que eu mais esperava visitar: a passarela que fica sobre o rio, que leva bem pertinho das quedas e também é um mirante para a Garganta do Diabo, a gigante queda que fica do lado argentino – queeee também pode ser visitada por cima, no Parque hermano.

Nós visitamos os dois lados das Cataratas e contamos cada detalhe no post: (em breve)

Observe do lado direito da imagem, bem pequeninho, o mirante e a plataforma que dá acesso a ele

Uma dica, aliás, duas dicas: 1) antes de entrar na passarela, proteja seus eletrônicos. Lá a gente se molha muito. 2) Aproveite para clicar bastante na plataforma, as gotículas de água no ar formam vários arco-iris!

Foto tirada com uma GoPro na passarela sobre o rio Iguaçu

Continuando o passeio, chegamos no Espaço Naipi. Ali podemos ver as Cataratas de três plataformas diferentes, sendo que a última está lá no alto e só é acessível pelo elevador panorâmico.

Pra quem quiser levar um souvenir pra casa, na base do elevador tem uma lojinha com alguns itens.

Plataforma abaixo do elevador. Não tem como não se molhar!

Agora sim, pra gente o passeio acabou aqui. Mas, se você ainda tiver tempo e estiver com fome, poderá ir até a última parada para almoçar.

Estação Porto Canoas

Última parada, estação Porto Canoas. Como disse acima, nesta parada tem o Restaurante Porto Canoas, que fica bem às margens do Rio Iguaçu.

Imagino que deve ser bem legal almoçar observando o rio, mas como não nos sobrou muito tempo não fomos até o restaurante.

(Se você já foi, conte sua experiência para a gente nos comentários!)

Por onde começar e terminar o seu dia nas Cataratas do Iguaçu?

Se você for fazer o Macuco ou alguma trilha, sugiro que você faça primeiro estas atividades e só depois vá para as Cataratas. Assim você não precisa ficar preocupado (a) em voltar por causa do horário, e poderá curtir o passeio mais relax. 😉

Quanto tempo devo separar para conhecer as Cataratas do Iguaçu?

Bom, a resposta pra esta pergunta depende muito do que você pretende fazer no Parque.

Para fazer o Macuco Safari Tradicional + Cataratas levamos cerca de 6h30m. Fizemos tudo em um ritmo bem tranquilo, fotografando e observando tudo.

Nós chegamos no Parque meio dia e saímos às 18:30. Acho que daria para reduzir este tempo para 5 horas se você não quiser fotografar tanto. 😀

Se você pretende fazer a trilha do Poço Preto ou comer no restaurante Porto Canoas, considere aumentar este tempo, ok?

Onde comer?

Além do restaurante Porto Canoas, no parque tem várias lanchonetes. Outra dica é levar com você alguma bobeirinha, tipo biscoito, barrinha de cereal ou qualquer outra coisa pra despistar a fome.

Dica importante: hidrate-se bastante. O sol de Foz do Iguaçu castiga!

O que levar e o que vestir?

Leve com você:

  • Câmera fotográfica
  • Lanchinho
  • Água
  • Protetor solar
  • Repelente
  • Dinheiro ou cartão (lá passa cartão em qualquer lugar e também tem caixa 24h)
  • Roupa extra para não ficar molhado pós-Macuco rsrs
  • Chinelo para usar no vestiário do Macuco
  • Capa a prova d’água para celular (caso ele não seja resistente à água e você queira tirar foto no Macuco ou nas Cataratas)
  • Capa de chuva para mochila (eu levei e foi bem útil!)

O que vestir:

  • Vista-se com roupas leves, de preferência que sequem rápido
  • Chapéu / Boné / Óculos escuros
  • Calçados confortáveis (você vai andar bastante)
  • Seu calçado provavelmente vai molhar. Não esqueça de levar um calçado extra (e confortável!) para os outros dias em Foz
Primeiro mirante das Cataratas!

Conheça por outro ângulo!

Se ver as Cataratas assim já é incrível, imagine só assistir a esse espetáculo lá do alto, em um voo panorâmico de helicóptero?

A Helisul, empresa especializada em fretamento de helicópteros, tem um heliponto bem ao lado do Parque das Cataratas e oferece este passeio, que é de tirar o fôlego!

Nós também não deixamos ele de fora do roteiro (é claro!) e já riscamos esse item da nossa wishlist!

Confira aqui como é o voo e todos os motivos para você também adicionar este passeio no seu roteiro: Passeio de helicóptero em Foz do Iguaçu: sobrevooando as Cataratas

Vista das Cataratas do Iguaçu durante o voo panorâmico

Acorde, abra a janela e veja as Cataratas

Bom, nós não ficamos hospedados no Belmond Hotel das Cataratas, mas não posso mentir que vontade não faltou (o que faltou mesmo foi orçamento 😂)!

O Belmond Hotel, além de ser luxuoso (boa pedida para datas especiais ❤) ainda tem uma localização mais do que privilegiada. O hotel está, nada mais nada menos, que dentro do Parque das Cataratas do Iguaçu, a poucos metros do primeiro mirante.

Imagine só o privilégio de ser o primeiro a chegar nas Cataratas ou poder visitá-las ao entardecer? Um sonho, né?

Clique no banner abaixo e reserve sua estadia no Belmond Hotel:


Mais informações:

Endereço: Br 469, KM 18 – Foz do Iguaçu/PR – ao lado do Parque das Aves

Site | Instagram | Página no Facebook

Acesso wi-fi gratuito em alguns pontos do Parque

Horário de funcionamento: todos os dias, das 9h às 17h


Quer ler mais sobre as Cataratas? Então confira o post do Blog Partiu Viajar com 21 dicas para visitar as Cataratas do Iguaçu.


Espero que você tenha curtido o post e que ele lhe seja útil! Qualquer dúvida ou qualquer dica, deixe nos comentários!

Abraços



*** Nossa visita ao Parque Nacional do Iguaçu foi cortesia, mas mantemos o nosso compromisso com os leitores do Blog e garantimos total transparência e honestidade em nossas opiniões relacionadas aos serviços oferecidos pelo parceiro.
Prezamos pela qualidade do conteúdo aqui publicado, divulgando apenas produtos/serviços que utilizamos e recomendamos.


Viaje tranquilo, faça uma cotação de seguro com a Real Seguro Viagem:

Escrito por

Flávio é mineiro, formado em Direito e já morou em várias cidades diferentes. Tem a fotografia como hobby e o blog como forma de dividir com outros suas experiências e seus clicks.

Escreva um comentário