Em Chiang Mai, no alto da colina Doi Suthep, a aproximadamente 1000 metros de altitude, encontra-se um templo budista que para muitos é tido como um dos lugares mais sagrados da Tailândia. A beleza e a suntuosidade do Templo Doi Suthep me fez crer que, mesmo depois de conhecer tantos templos no país, aquele realmente era diferente de todos os outros que eu tinha visto até então!

 

Por mais que você já tenha visitado outros templos budistas, meu conselho é que, se você for a Chiang Mai, não deixe o Doi Suthep de fora do seu roteiro! Este templo é uma das principais atrações da cidade e, como eu já disse, o templo é único, diferente de todos os outros.

Além de possuir uma estupa dourada gigantesca que guarda (simplesmente) uma relíquia sagrada, o Doi Suthep possui incontáveis representações de Buda e várias estátuas de serpentes, dragões e elefantes.

Imagem de Buda logo na entrada do Doi Suthep

Por ficar no alto de uma colina, do templo ainda se tem uma vista privilegiada de Chiang Mai.

A lenda de Doi Suthep

Conta a lenda que por volta de 1300, um monge encontrou uma das relíquias sagradas do budismo. Esta relíquia tratava-se de parte de um osso do ombro do Buda.

Fragmentos do corpo de Buda são considerados relíquias sagradas, e, segundo a crença, aqueles que as tocam ou as veem são abençoados com grandes benefícios físicos e espirituais.

Para proteger a relíquia encontrada, o monge tratou de guarda-la em uma caixa de bronze.

O rei de Chiang Mai, ao saber da história, propôs ao monge que ocultasse a caixa no templo Wat Suan Dok. O monge aceitou a oferta e ao levar a relíquia para o templo, ela se partiu em duas.

O rei resolveu que uma parte ficaria em Wat San Dok e, para abrigar a segunda parte, ele iria construir outro templo.

Sem saber onde erguer o segundo templo, o rei buscou a inspiração divina e foi orientado a colocar a relíquia em um elefante branco para que o animal escolhesse onde o templo deveria ser construído.

O rei colocou a peça no elefante e o soltou nas florestas de Chiang Mai. O elefante subiu então ao topo da colina Doi Suthep e lá no alto, após bramir 3 vezes, ele se ajoelhou e morreu. Era este o sinal que o rei precisava para erguer o novo templo.

Representação do elefante branco que levou a relíquia até o topo de Doi Suthep

O templo foi então construído e até hoje a relíquia se encontra no Wat Phra That Doi Suthep.


Como chegar

Doi Suthep não fica próximo de Chiang Mai. Da cidade até o templo levamos cerca de 40 minutos em uma estrada morro acima e cheia de curvas (muito fechadas). A dica então é: leve um remédio para enjoo na mochila!

Se considerarmos custo x benefício, a melhor forma de se chegar no Doi Suthep é indo com um songthaew, também chamado de “red truck“. Estes são um dos principais meios de transporte de Chiang Mai e tratam-se de camionetes vermelhas que transportam passageiros.

Basta encontrar um Red Truck (o que não é difícil em Chiang Mai) cujo destino seja o Doi Suthep, aguardar sua lotação máxima e partir.

Turistas e uma Red Truck na rua que dá acesso ao Doi Suthep.

No nosso caso, comentamos com a Kannika – uma das funcionárias do hotel Villa de Hun – que no dia seguinte iríamos até o templo. Prestativa como ela é, se prontificou a pedir para um amigo que dirigia um red truck para nos levar. O combinado seria que ele nos levaria e nos traria de volta, mas, por algum motivo (que eu não me lembro), ele teve que ir embora antes e não nos aguardou.

Assim, na volta, tivemos que pegar outro red truck.

A ida, que foi de forma privada, nos custou cerca de R$13,50 por pessoa, e a volta que fizemos em um red truck coletivo custou menos de R$ 7,00.

Há também a possibilidade de contratar um tour guiado com agência ou alugar uma scooter na cidade e ir por conta própria. Se você optar por ir de moto, lembre-se de que na Tailândia a mão é inglesa e a estrada tem muuuitas curvas bastante sinuosas, o que pode ser um pouco perigoso para quem não tem muita prática em pilotar na mão inversa.


O Templo

Logo que chegamos no templo, começamos a subir alguns degraus em meio a uma mata e já nos deparamos com algumas grandes representações de monges e de buda.

Pela grandiosidade destas imagens, já pudemos imaginar o que nos esperava lá no alto.

Imagens na base do Doi Suthep

Chegamos então na famosa escadaria com as serpentes, que possui 306 degraus e carrega um simbolismo imenso.

O primeiro simbolismo relaciona-se à quantidade de degraus, que, por não serem poucos, induzem o homem a entender que para se obter o crescimento espiritual, é necessário vencer muitos degraus.

O segundo simbolismo está presente no corrimão da escadaria que é formado por duas serpentes chamadas de Naga. Estas cobras são consideradas sagradas porque, na mitologia, auxiliaram Buda por diversas vezes. Em uma delas, Naga protegeu Buda de uma tempestade por 7 dias, enquanto ele meditava.

Até tentamos fazer uma foto com menos gente em frente a essa escadaria, e como pode ver, falhamos 😂😂😂. Tinham centenas de turistas de todos os cantos do mundo subindo e descendo os degraus. Então, o melhor que consegui foram estas fotos da Geisi com “algumas” pessoas:

Escadaria que leva ao templo

Depois de vencer os degraus, chegamos na entrada do templo. Lá é necessário pagar uma taxa de 30 baths (+ou- 3 reais).

Para quem quiser evitar os degraus, dá para subir até o templo em um funicular (custa 20 bahts para tailandeses e 50 bahts para estrangeiros). Mas só aconselho subir pelo bondinho caso você tenha algum problema de locomoção. Do contrário, deixe o sedentarismo de lado e bora subir a escadaria!

É importante que você saiba que para ter acesso à área central é necessário ir descalço. Lá no alto da escadaria, pertinho da bilheteria existe um lugar especial par deixarmos os calçados. 

Ah! E se estiver calor, lá também tem uma barraquinha vendendo sorvete e água!

Um sorvetinho pra refrescar!

Ao entrar, já ficamos de boca aberta! O templo é repleto de imagens, sinos, jardins e ornamentações douradas!

A estupa gigante chega até a ofuscar a visão de tanto brilho! Com seus 24 metros de altura e toda banhada a ouro, é onde está guardada a relíquia. Ao entorno dela estão quatro sombrinhas douradas e adornadas com telas de fios de ouro.

Estupa gigante e dourada que fica no centro do Doi Suthep
Detalhe da sombrinha ornamentada com fios de ouro

Ainda nesta parte central, há uma fileira de budas na posição de lótus, e, na parede, várias pinturas retratando a vida de Buda.

Vários budas enfileirados e, ao fundo, pinturas retratando a vida do Buda

Outra coisa que me chamou muito a atenção foram algumas imagem de budas de cor esmeralda. Um deles fica entre várias outras imagens douradas, onde as pessoas deixam oferendas . Simplesmente incrível!

Detalhes dos templos

Ao redor desta área central onde está o chedi existem vários outros templos, além de um centro de meditação, onde visitantes e moradores da região podem praticar ou aprender mais sobre meditação.

Caminhando por lá, encontramos também fileiras de grandes sinos. A crença é que quem toca estes sinos recebe bençãos e boa sorte.

Há também um grande terraço de onde se pode ver Chiang Mai, mas você só conseguirá contemplar a cidade se a neblina que paira aos pés da montanha deixar. No dia em que estivemos por lá, quase não conseguimos ver nada. 😥

Uma das várias orquídeas que estão espalhadas pelo templo

Os jardins espalhados pelo templo também são lindíssimos. Todos muito bem cuidados e com diversas espécies de flores. Eles formam pequenos santuários para meditação em meio a toda aquela beleza.

Ficamos algumas boas horas conhecendo o lugar, e tenho certeza que saímos de lá sem ver tudo! A dica então é: se for visitar o Doi Suthep, vá sem pressa!




Quanto tempo separar para este passeio?

Para conhecer o Doi Suthep, reserve pelo menos uma manhã ou uma tarde.

Isto porque, como dito acima, só para ir e voltar gasta-se +ou- 1h20m. O templo não é muito grande, mas admirar todos os detalhes requer tempo.

E pra quem ainda quiser levar alguma lembrancinha, no início das escadarias tem algumas barraquinhas e na rua funciona uma feirinha, que vendem souvenires e até pratos típicos tailandeses.

Vista do alto da escadaria principal

Regras para visitar o templo

No nosso ticket de entrada estavam escritas algumas regrinhas para visitar o Doi Suthep. A primeira delas era: “vista-se de forma respeitosa, não use shorts“.

Então, tanto os homens quanto as mulheres não devem usar shorts curtos e regatas, ok? Dê preferência para calças, vestidos e blusas que cubram os ombros e joelhos. Assim não tem como errar. 😉

Leve sempre um lenço, uma calça tailandesa ou uma canga na bolsa, já que com o calor que faz em Chiang Mai (e praticamente em toda a Tailândia) não é fácil andar coberto(a) o tempo todo rsrs.

Outras regras que são importante você saber para este e outros templos budistas que você for visitar:

  1. Não toque nas imagens de buda
  2. Não beije ou abrace outras pessoas no templo
  3. Não toque nos monges
  4. Mantenha o templo limpo
  5. Tire os sapatos para entrar nos templos

Curtiu o post e quer conhecer mais sobre Chiang Mai? Acesse:


Planeje sua viagem com a gente!

Viajando na Janela participa de alguns programas de afiliados. Quando você faz suas reservas através dos nossos links, além de garantir um serviço de excelente qualidade pelo menor preço, recebemos uma pequena comissão que auxilia na manutenção do Blog e você não paga nada a mais por isso! Agradecemos de 💚


Curtiu o post? Então dê um like nossa fanpage e não perca nada do que acontece por aqui!
 


 

 

Author

Flávio é mineiro, formado em Direito e já morou em várias cidades diferentes. Tem a fotografia como hobby e o blog como forma de dividir com outros suas experiências e seus clicks.

Write A Comment