O tour do Valle de La Luna, assim como o da Laguna Cejar, é indicado para os primeiros dias no Atacama por conta da aclimatação. Iniciando os passeios pelos lugares mais baixos, o corpo vai se adaptando aos poucos e acaba não sentindo tanto os efeitos da altitude.

Geralmente feito no período da tarde, o tour passa pelas Cavernas de Sal, por dunas e paredões imensos, pelas Três Marias e termina no Mirador de Kari.

 

Fizemos esse passeio no nosso segundo dia no Atacama com a agência 123Andes. Nosso grupo tinha 8 pessoas e fomos novamente com o guia mais legal do deserto, o Ricardo*!

Quer saber como foi? Veeem comigo!


(* O Ricardo não está mais na 123Andes, mas a agência também tem outros guias super legais)


Sobre o Valle de La Luna

A apenas 13km de San Pedro, o Valle de La Luna está localizado na Cordilheira de Sal. A paisagem é composta por dunas e paredões esculpidos pelo vento e a altitude máxima alcançada nesse tour é de aproximadamente 2600 metros, o que o torna uma excelente opção para os visitantes que ainda não estão devidamente aclimatados.

O primeiro ponto de parada é na entrada do Parque, onde é necessário efetuar o pagamento da taxa de visitação de 3.000 pesos chilenos (+- R$18,00). Este é um dos tours mais baratos do Atacama (custa em média 15.000 pesos – aproximadamente R$90,00) e também um dos mais concorridos.

Os locais visitados no Valle de La Luna normalmente são a Caverna de Sal, o Anfiteatro, as Três Marias o Mirador de Kari, onde fica a Piedra del Coyote, que tem uma vista M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A  do Valle de La Muerte. Há também agências que oferecem um tour para a prática de sandboard nas dunas atacamenhas.

estrada para o Valle de La Luna - Atacama | Viajando na Janela


Primeira parada: Caverna de Sal

Aviso para os claustrofóbicos: esperem do lado de fora da caverna 😂😂😂

Apesar de ser uma caminhada mais lenta e de nível fácil, em alguns momentos lá dentro é necessário passar por lugares apertadinhos e por alguns pontos escuros (a lanterna do celular ajuda muito nessas horas!).

A caverna recebe esse nome por suas paredes salinas, que vão sendo esculpidas ao longo do tempo pelo vento e pela constante mudança de temperatura no vale.

Valle de La Luna | Atacama | Viajando na Janela

Caverna, Valle de La Luna - Atacama | Viajando na Janela


Mais ao final da caverna, subimos nos paredões com a ajuda do nosso guia. Ele aproveitou a vista linda pra fazer outro videozinho mannequin challenge do nosso grupo:


O primeiro vídeo está no post da Laguna Cejar!


Segunda parada: mina de sal

Depois de passear por entre os cânions próximos à Caverna de Sal, voltamos para a van e seguimos para uma antiga mina de sal.

A extração de sal mineral já foi uma atividade comercial muito explorada no Atacama. Hoje em dia muitas minas estão desativadas e se tornaram um atrativo turístico na região.

Ao lado dessa mina que visitamos havia o que sobrou de uma construção, muito provavelmente utilizada pelos mineiros que ali trabalharam, e que acabou se tornando um ótimo cenário para fotos, com o sol ao fundo 💚

Mina de Sal, Valle de La Luna - Atacama | Viajando na Janela

Mina de Sal, Valle de La Luna - Atacama | Viajando na Janela


Terceira parada: as Três Marias

Na volta, fizemos uma parada rápida para conhecer as Três Marias – formações rochosas que segundo os atacamenhos simbolizam três mulheres rezando – mas que exige uma grande dose de imaginação pra enxergá-las. 😅😅😅

A primeira delas não está em seu tamanho original – um turista sem noção teve a brilhante ideia de subir nela pra tirar foto e quebrou a coitada. Hoje em dia há uma delimitação feita com pedras  e não é possível chegar muito perto.

Fizemos algumas fotocas e seguimos para o ponto alto do passeio: o por do sol no Valle de La Muerte!

Três Marias, Valle de La Luna - Atacama | Viajando na Janela
Três marias

Quarta parada: por do sol no Mirador de Kari – Piedra del Coyote

Na verdade a Pedra do Coyote está interditada por conta de rachaduras em sua base. Há até uma cordinha demarcando o limite até onde o turista pode ir, ou seja, aquela foto que muita gente tem pulando em cima da pedra não é mais permitida. Mas o visual ao redor é tão impressionante que essa foto não faz a menor falta. 😀

O lugar fica meio cheio nesse horário – lembra que eu disse lááá no começo do post que é um dos tours mais feitos pelos turistas? – mas ainda assim dá pra curtir o espetáculo sem ninguém na sua frente: basta se afastar um pouco nem tão pouco assim de onde está a pedra famosinha.

As cores no vale vão mudando à medida que o sol vai baixando, é indescritível de tão lindo 💚

Retornamos à San Pedro por volta das 21:00hs.


O que levar:

  • Câmera e cartões de memória (e talvez uma bateria extra!);
  • Lanterna (se o seu celular tem, não precisa);
  • Água mineral (pelo menos 1,5l por pessoa);
  • Snacks (normalmente esse tour não inclui lanche, leve algo pra beliscar);
  • Protetor solar, protetor labial e chapéu/boné;
  • Use roupas leves, mas não esqueça de levar um casaco corta vento (faz muito frio no final do passeio);
  • Óculos de sol;


Programe sua viagem com a gente!

Fazendo sua reserva através do banners abaixo, você não paga nada a mais por isso e nós recebemos uma pequena comissão que ajuda na manutenção o blog! Agradecemos de ❤

Hospedagem

Reserve sua hospedagem no Atacama pelo Booking

Seguro Viagem

Faça sua cotação com a Real Seguro!

 



Escrito por

Mineira, 31 anos, formada em Sistemas de Informação com Pós em Administração e Marketing. É apaixonada por viagens, principalmente aquelas que possibilitam visitar novos lugares e conhecer novas culturas. Passa horas na internet lendo relatos de outros viajantes e adora contar suas experiências nas redes sociais e no blog.

6 Comentários

  1. FLAVIO Henrique Souza LUNA Responder

    Oi Geisiele,

    Muito bom o blog! Parabéns!
    Dúvida: Para os passeios, você indica uma bota de trekking mesmo, ou um tênis comum é suficiente?

    • Geisiele Carvalho Responder

      Oi Flávio, tudo bem?

      Fico feliz que tenha gostado! 🙂
      Olha, eu vi muita gente usando tênis comum, mas acho que a bota de trekking é mais indicada… em alguns passeios, como nas Lagunas Escondidas, o terreno é bem irregular, e a sola mais grossa da bota faz toda a diferença, além de aquecer mais os pés nos passeios que saem muito cedo, como os Gêiseres.

  2. Oi Geisiele,
    Os posts estão fantásticos. Super detalhados.
    Estou adorando.
    Que mês vcs foram?

  3. Oi Geisiele!! tudo bem?
    voce acha que valeu a pena fazer esse passeio? Comparando as fotos que voces tiraram nele com dos outros posts no Atacama, esse pareceu o mais “basicão”… Voce recomenda que alguem com um orçamento médio (rsrs) e até 4 dias inteiros para ficar no Atacama fizesse ele?
    Muito obrigada!!

    • Geisiele Carvalho Responder

      Oi Laura! Tudo ótimo, e você?
      Booom, eu amei todos os passeios por lá, mas apesar de um por do sol maravilhoso no final, é um dos mais básicos e que não impressiona tanto quanto os outros. Numa escala de beleza dos passeios, acho que num roteiro de 4 dias eu deixaria ele de fora sim… Mas é o tour mais barato, dependendo até dá pra encaixar ele caso tenha uma tarde livre 🙂

Escreva um comentário