O Chile é um país que realmente impressiona! Vários vulcões (alguns ativos), a imensa e gelada Cordilheira dos Andes, lindas montanhas nevadas, corredeiras de águas verde-esmeralda, um deserto surpreendente, precisa de mais?! Motivo é o que não falta para escolher o Chile como destino!


Pra você que pretende conhecer o Chile, neste post compartilhamos alguns detalhes da viagem e o nosso roteiro de 19 dias pelo país. Espero que ajude! 😊


Como esta foi nossa primeira grande viagem (também a primeira vez que colocamos os pés para fora do Brasil) a preparação e a ansiedade estavam a mil meses antes da data de embarque.

Meses?! Sim! Começamos a planejar bem antes, afinal, quando resolvemos que nas nossas próximas férias iríamos conhecer o Chile, eu tinha acabado de iniciar em um novo emprego. Assim, ainda teríamos praticamente um ano para nos programar, já que eu só conseguiria tirar férias após este período. Mas, com toda certeza, este tempo de preparação foi super importante!


Lago Llanquihue


Com este tempão de antecedência pudemos ler muitos relatos de blogs, sites e também pegar várias dicas em um grupo do Facebook chamado Viajando para o Chile, o que ajudou muito durante nosso passeio.

O planejamento prévio da viagem foi tão bom que, naquele período, até criamos coragem para iniciar as aulas de espanhol. Isto facilitou bastante nossa comunicação, adicionando algum vocabulário ao nosso portunhol. 😅


Puerto Montt | Viajando na Janela
Puerto Montt

Traçamos o roteiro abaixo e acabamos seguindo durante toda a viagem, com uma ou outra mudança de percurso:

Roteiro

✔ Dia 19/07 – Viagem Belo Horizonte/Santiago
✔ Dia 20/07 – Conhecer o Centro de Santiago (à pé)
✔ Dia 21/07 – Passeio Concha y Toro (metrô+ônibus)
✔ Dia 22/07 – Viña del Mar/ Valparaíso (tour com a empresa Indo pro Chile)
✔ Dia 23/07 – Parque Araucano/ Shopping Parque Arauco/ Bairro Paris Londres
✔ Dia 24/07 – Cajón del Maipo/Embalse el Yeso (carro alugado)

✔ Dia 25/07 – Viagem Santiago/Chillán (trem)
✔ Dia 26/07 – Atividades na Neve (Snowboard)
✔ Dia 27/07 – Atividades na Neve (Snowboard)
✔ Dia 28/07 – Atividades na Neve (Snowboard)

✔ Dia 29/07 – Viagem Chillán/Pucón (ônibus)
✔ Dia 30/07 – Ojos del Caburgua (ônibus)

✔ Dia 31/07 – Viagem Pucón/Puerto Varas
✔ Dia 01/08 – Passear por Puerto Varas+ alugar carro e ir a Puerto Montt
✔ Dia 02/08 – Llanquihue/ Frutillar/ Puerto Octay (carro alugado)
✔ Dia 03/08 – Parque Vicente Perez Rosales + Osorno (carro alugado)
✔ Dia 04/08 – Livre – passear pela cidade (carro alugado)
✔ Dia 05/08 – Puerto Montt/Santiago (avião)

✔ Dia 06/08 – Santiago/Belo Horizonte


Comprando as passsagens

Destino escolhido, roteiro pronto, começamos a monitorar os preços das passagens aéreas. Como todo mundo, queríamos economizar ao máximo nas passagens para gastar mais nos passeios. Infelizmente não tínhamos milhas para ajudar.

Assim, começou a saga! Baixamos aplicativos de celular para acompanhar as oscilações de preços das passagens. Estes aplicativos (Skyscanner, Kayak, Decolar) são excelentes ferramentas para quem quer poupar grana com passagens (não ganhamos nada pela propaganda, mas o que eu gostamos mais foi o Skyscanner).


Hotel Nevados de Chillán

Seguro Viagem

Uma das coisas mais importantes a serem feitas, independente de qual for o seu destino, é um bom seguro viagem. Ninguém viaja pensando em ter que acionar a seguradora, mas imprevistos podem acontecer e é sempre bom ter a quem recorrer nessas horas. Não precisamos usar o nosso (ainda bem!), então não temos como afirmar se era bom ou não, mas vamos deixar os dados mesmo assim para te dar uma noção de valores.

A seguradora foi a Travel Ace Internacional, e o plano que escolhemos foi o Mundo Básico (na época da nossa viagem para o Chile custou R$220,00 por 19 dias, para duas pessoas). Hoje, depois de ler um pouco mais a respeito, escolheria um plano com maior cobertura, mas na época não tínhamos muitas informações e acabamos optando pelo mais barato mesmo hahaha.

Além da assistência médica, você pode ser reembolsado em caso de atraso ou extravio de bagagem e danos à mala, entre outros serviços, dependendo do plano escolhido.


Falando em Seguro Viagem, já contratou o seu?

Nós temos uma parceria com a Real Seguro Viagem e conseguimos um preço superlegal pra você contratar o seguro e fazer sua viagem super tranquila! Clique aqui.
*Contratando o seu seguro através dos nossos links, você não paga nada a mais por isso e  ainda ajuda na manutenção do blog! 🙂


Sobre nossas fotos e equipamentos fotográficos

Durante nossa viagem fomos publicando nas redes sociais algumas fotos que íamos tirando pelo caminho. Por consequência, diariamente, recebíamos alguns elogios pelas fotos e, junto com os elogios, vários questionamentos sobre qual câmera estávamos usando.

Embalse el Yeso | Viajando na Janela
Embalse el Yeso

Bem, a resposta para a pergunta é: usamos uma Canon T3i, uma Canon sx50 e uma Gopro Hero 3+ Black.

Mas, vale lembrar que uma fotografia legal vai muito além da câmera que se usa.

Bom, vamos lá! Este assunto é muito extenso (e eu adoro falar sobre ele!) mas vou tentar resumir e passar as informações mais importantes por agora (leia aqui um post mais completo sobre fotografia).

Primeiramente, é duro dizer isso haha, mas equipamento fotográfico bom não é garantia de sucesso! Mas também não dá pra falar que eles não influenciam em boas capturas.

Os equipamentos que levamos não são aqueles considerados top de linha, mas, para ser sincero, fiquei bastante satisfeito com os resultados.

Como já disse, levei comigo nesta viagem uma T3i e 3 lentes. Esta câmera é considerada semi-profissional, trazendo a possibilidade de troca de lentes.

Como lentes, foram na mochila uma Canon 18-55 mm (conhecida como “lente do kit”), uma Canon 50 mm 1.8 (dá um desfoque fantástico) e uma Sigma 10-20mm F4-5.6 (grande-angular).

Com a Geisi foi uma a Canon sx50, que é uma máquina superprática, com um poder de zoom absurdo (zoom óptico de 50x).

Levamos também a Gopro com um stick (o famoso pau de selfie ).

Com relação às três lentes que levei, tenho a certeza que muitos vão me perguntar: “mas Flávio, ficar trocando de lente numa viagem não é algo muito chato“? A resposta é a seguinte: não! Trocar lentes é super fácil e eu faço toda hora! haha mentira!!!!!

Sim, trocar lentes é muito trabalhoso e até mesmo um tanto quanto chato. Mas, tenho por hobby a fotografia, e por isso faço um esforço para obter fotos diversificadas e que possam retratar bem os momentos de nossas viagens. Me sinto realizado quando consigo aquele click.

Aproveitando o assunto, tenho que te contar algo! Sabe aquelas fotos espetaculares que a gente encontra em sites e redes sociais?! Elas não são tiradas e postadas instantaneamente! Em praticamente 100% das vezes rola uma edição antes da publicação, seja uma aplicação de nitidez, um ajuste de contrastes, ou mesmo um reforço nas cores.

Pensando nisso, não abrimos mão também de levar um notebook. Junto com o note foi também um mouse e um HD externo. Para os que curtem fotografar, os programas que utilizamos em nossas edições são o Lightroom e o Photoshop. De vez em quando, quando a ansiedade fala mais alto, editamos algumas fotos da Gopro pelo celular. E, para este tipo de edição rápida usamos o app Snapseed.

Como levamos note e HD externo, não nos preocupamos em levar muitos cartões de memória. Levamos apenas 3 cartões de 16gb classe 10 para as câmeras grandes e um mini cartãotambém de 16gb classe 10 –  para a Gopro (todos da marca SanDisk).

É importante lembrar também que levei para a lente 18-55 um filtro de densidade neutra.

Uma coisa que não levamos, mas que fez uma falta grande, foi um bom tripé. Trouxe poucas fotos com longa exposição porque não tinha este equipamento, e, pode acreditar, me arrependo muito por isso!

Para terminar este assunto volto a dizer que uma máquina top não garantirá boas fotos, o negócio é estudar um pouco para aprimorar os clicks. Na Internet tem muitas dicas simples que, se postas em prática, vão ajudar (e muito) naquele click certeiro que deixará todo mundo de boca aberta!


Valparaíso | Viajando na Janela
Valparaíso

Sobre as fotos acho que por enquanto é só isto tudo 😂😂😂, se alguém quiser conversar mais sobre esse assunto, é só postar nos comentários que ajudarei no que puder.


Bagagens

Como o nossa moeda andava (bastante) desvalorizada frente ao peso, não compensou para a gente comprar roupas, acessórios e equipamentos de ski lá no Chile. Antes da viagem eu comprei aqui no Brasil, pela loja Decathlon, algumas coisas que ainda precisava. Foi o que salvou o nosso dinheiro.

Achei os materiais que comprei pela Decathlon muito bons. Só que as vendas online da loja são meio bagunçadas, algumas vezes demorando muito pra entregar os produtos.

Das coisas que comprei por lá, gostei muito de uma calça de ski, da segunda pele e do fleece. O que menos gostei foi uma luva pra ski que, quando usei na neve, descobri que não era tão impermeável quanto diziam.


Fizemos um post mais detalhado dando dicas sobre o que levar na mala numa viagem para o Chile. Corra lá pra você ver, tá completinho!


Acho que por agora é só. Se você se interessou pelo nosso roteiro, veja como foi nosso primeiro dia em terras chilenas!

Um abraço

Autor

Flávio é mineiro, 29 anos, cursa direito e trabalha como administrador público. Mesmo com os estudos e o trabalho, sempre aproveita suas férias e feriados para dar uma esticadinha por ai. Tem a fotografia como hobby e o blog como forma de dividir com outros suas experiências e seus clicks.

Escreva Seu Comentário